Muitas pessoas querem saber na hora de um orçamento com o dentista: cerâmica ou porcelana? A terminologia usada, muitas vezes confunde-se entre cerâmica e porcelana. A cerâmica é composta somente por óxidos (sílica, alumina, potassa e outros), sendo alguns elementos metálicos. Por isso a cerâmica é um termo bastante amplo e é definida como composto de elementos metálicos e não-metálicos.

Já a porcelana é um tipo específico de cerâmica caracterizada por ter na composição o caulim, que é silicato de alumínio hidratado. que fornece plasticidade à pasta de porcelana e cor esbranquiçada.

As primeiras porcelana empregadas na odontologia, no final do século XVIII, eram baseadas na composição de 50% de caulim, 25% de feldspato e 25% de quartzo. Pelo fato das restaurações em porcelana se restringirem a pequenas peças, a plasticidade da pasta não é fator tão importante assim como é para confecção de peças maiores, como vasos ornamentais, por exemplo. Isso permitiu a eliminarão do caulim nas cerâmicas empregadas em odontologia, possibilitando o aumento na quantidade de feldspato e a consequente melhora de algumas propriedades como contração e translucidez. Atualmente os materiais empregados para confecção de restaurações não tem caulim, portanto, o termo correto seria “cerâmicas odontológicas”.

A confecção de facetas de porcelana em dentes anteriores representa uma ótima alternativa de tratamento em muitas situação clínicas devido às suas características de possibilitar a reprodução de aspectos ópticos presentes em dentes naturais, sua biocompatibilidade ao tecido periodontal, elevada resistência e sucesso em estudos clínicos feitos.

Dra. Renata Deschamps - Dentista, Ortodontia, Invisalign, aparelhos invisíveis, Odontologia estética, Facetas de Porcelana

Normalmente sua indicação está vinculada à necessidade de restaurar áreas amplas em dentes anteriores e a busca de excelência estética a longo prazo. Podem ser ser empregadas para confeccionar facetas totais e parciais. Atualmente a indicação de coro total está praticamente limitada à substituição de coroa total metalocerâmica, metaloplástica ou mesmo cerâmicas deficientes e em dentes com grande destruição por tecido cariado onde não é possível confeccionar um laminado. Deve-se ter sempre que possível o compromisso de “restaurar preservando” estrutura dental, minimizando a remoção do tecido dentário que encontra-se em boas condições. O uso da faceta de porcelana em dentes anteriores é indicado quando se quer alterações de cor, forma e/ou posição.

Hoje em dia escutamos muito a terminação “laminados cerâmicos”. Os laminados cerâmicos são facetas de porcelana bem finas indicadas para correção de problemas estéticos dos dentes, tais como fechamento de espaços interdentais (diastema), aumento do comprimento dos dentes quando eles são muito curtos, correção de dentes quebrados, redefinição do contorno dental,  redesenho de dentes assimétricos e cobertura de dentes manchados.

As facetas de porcelana são projetadas em computador de forma personalizada, com base em imagens dos dentes do paciente obtidas através de um scanner intraoral. O projeto computadorizado é enviado para uma impressora 3D, que fresa um bloco de cerâmica dental até que obtenha o formato das lâminas. 

A aplicação dos laminados cerâmicos é feita após o preparo dos dentes, que pode ir desde uma limpeza até um leve desgaste da superfície dentária. O procedimento não traz qualquer dor e incomodo ao paciente. A colagem das facetas é feita com adesivos fotopolimerizáveis específicas para isso. Os laminados cerâmicos ou facetas de porcelana têm longa duração, são resistentes e não mancham ao longo dos anos.